FOTOGRAFIA DE MODA UNDERWEAR / SENSUAL | CORPO ILUMINAÇÃO NATURAL COMBINADA

#TUTORIAL ILUMINAÇÃO NATURAL COMBINADA
“LOW KEY DIGITAL + INSPIRAÇÃO ANALÓGICA”

Bommmm diiiiiiia!!!
Bem-vindos à minha DigiLógica, onde o pixel digital aprende com o grão da prata!!!

Esta é a primeira das fotos que escolhi da segunda parte sessão com a modelo Jessica Azevedo com make up/hair à prova d´água de Carla Leal  que correu muito bem.

IMG_1495Como nesta semana venho tocando várias vezes no assunto O “meu” Sistema de Zonas aplicado à Fotografia de Moda, Beauty e Retratos”, resolvi criar essa sessão fotográfica para, mais uma vez, provar que “O que tem de ser full frame é o Cérebro e não a Camera!” porque optei pela CANON 20D com 8,2 mpx e desta forma ajudar aos que querem se tornar profissionais tendo cameras semi-profissionais (lembrando que em 2011 quando foi lançada, a 20D era “A” camera dos grandes profissionais de publicidade e era com ela que faziamos o nosso trabalho). Se as “não full frame” hoje contam com um arsenal enorme de avanços em relação às camera de mais de uma década, então Você pode gastar menos em corpos para poder investir em lentes que tenham compatibilidade com o dinheiro que ganhou possa sustentar o upgrade para uma Full Frame (se for mesmo necessário!).

E, o mais importante, é investir em formação séria com professores que estejam ativos na vida real da Moda e da Publicidade (principalmente)  que possam orientar devidamente ao invés daqueles que vestem a roupa de “professor instantâneo” solúvel à primeira chuva de perguntas mais exigentes.

Afinal, de que adianta gastar muito em equipamentos, lentes, luzes, etc, etc, etc, se não estiver tecnicamente preparado depois de ficar com os bolsos vazios por ter investido um dinheiro que vai demorar muito para voltar (se voltar …) ou estar pressionado comercialmente por ter dificuldades de fazer orçamentos com algum lucro (pelo menos …).

Entrando fundo na parte técnica … vem comigo! 🙂

Como era um dia quente de Verão, resolvi dar um banho na modelo para refrescar com a ajuda da make up artist (e chuveiro) Carla Leal.

IMG_1564 IMG_1593 IMG_1594E aqui fiz um crop de mais de 50% da imagem e fiz uma interpolação para o formato original para que possam sentir que a qualidade ainda fica muito boa!

IMG_1594 cropUsei uma lente fantááástica para situações de Moda porque é ultrasonic (=foco rapidíssimo), tem um sistema de establização BRUTALLLL, com lock button nas distâncias focais, que pode perder para as 2.8 na maior abertura mas ganha dela porque traz 32 em qualquer que seja o zoom que traz a “faixa ótima” para os mesmos intervalos entre as duas lentes … e a deliciosa vantagem de poder “esticar” lá para os 300 mm(sem contar o fator de conversão do sensor APS-C) e conseguir desfocar o fundo em aberturas ideiais na faixa ótima em exterior ou mesmo dentro do estúdio fazendo planos fechados sem ter que se aproximar ou ter que “cropar” jogando pixels no lixo por interpolação da imagem.

E tem um feedback muito positivo de pessoas que sigo como mentores em situações de compra de equipamento fotográfico:

Bryan Carnathan diz:

“I was immediately impressed by the solid build quality of the Canon EF 70-300mm f/4.5-5.6 DO IS USM Lens. It is not a light lens for its size, but the 70-300 DO is very solidly built. Canon has achieved their goal of compactness – see the comparison pictures below).

http://www.the-digital-picture.com/Reviews/Canon-EF-70-300mm-f-4.5-5.6-DO-IS-USM-Lens-Review.aspx

Alguns menos entendidos do assunto, imediatamente, dirão que é uma lente “escura” sem pensar e já achariam que é uma péssima escolha e correm atrás da 70-200 mm porque tem abertura constante e é 2.8 … e pronto, lá se vai um dinheiro que poderia manter no bolso.

Pergunta que não quer calar:

1) Quantas vezes eu usei uma lente na abertura máxima nesses 30 anos (e mais alguns) de profissão a sério ainda no tempo da fotografia analógica???

Resposta: Nunca!!! Mesmo com os meus Alunos do curso online, a primeira coisa que abordo é como tirar o máximo do equipamento que já tem …  “o ponto ótimo da SUA objetiva” é um deles!!!

Aqui, antes de falar da iluminação quero ensinar um truque que faz toda a diferença neste tipo de trabalho onde os reflexos são muito importantes para “sentirmos” textura da pele. O da luz frontal vem de um Beauty-Dish com tecido difusor (para o contraste geral mais soft) e o reflexo linear dos braços vem da janela retangular que tenho no teto do meu estudio (que podem ser simuladas com uma stripbox apontada para onde quer trabalhar os reflexos lineares.

Se esquecermos de construir um reflexo linear a partir da Luz Frontal (Key Light), poderemos ter reflexos pontuais (que do meu ponto de vista são inaceitáveis) e quem quiser ir mais fundo ainda pode visitar o link abaixo onde ensino a técnica “Small Source to Big Source”.                                                     https://www.facebook.com/photo.phpfbid=10150349322686352&set=t.595591351&type=3&theater

Adoro o trabalho desta equipe que superou as minhas expectativas que já eram muito altas!!!

Expressão, Pele, Mulher, Natural Beauty, Textura, … tudo ali exatamente como eu queria!

Fotometria Manual mais uma vez provando o quanto vale para alguém que sonhe com o sucesso na profissão (Tks, my Friend MINOLTA VF):

Medição 1: Zonas de Altas Luzes (Reflexos)

Guardar na memória do fotômetro em Modo A (average).

Medição 2: Zonas de Sombras

Inserir a segunda leitura no fotômetro e fazer a média das duas leituras. Coloque este valor na camera e feche 2/3 de fstop para ter um resultado que está “mais para uma foto escura” mas isso é importante para que o Camera Raw possa trazer detalhe onde há reflexo aparece sem qualquer estouro de luz na Zona 10 da Escala de Cinzas.

O Sistema Paramétrico me dá ferramentas muito boas para poder controlar milimetricamente as “darks” que estão entre “light e shadows”.

Importante é o fundo estar numa Zona próxima da Zona da pele … optei por deixar todo o resultado em Zonas do meio da escala para os meios tons e sombras e coloquei os reflexos na Zona 8 para que os brilhos não tirassem a textura do corpo por sobreexposição (Zona 10 – R255 G255 B255).

Se você não quer investir num fundo cinza, pode usar a Lei do Inverso do Quadrado da Distância para colocar no tom certo (por subeexposição, neste caso).

É isso ai … qualquer coisa, grita!!! J

É NÓIS NA EFO!!!
TAMUJUNTO!!! VAMOQUIVAMO!! 🙂

Abreijos!!

Modelo: Jéssica Azevedo <3

Make up Water Proof <3 /Hair: Carla Leal <3

Fotografia | Direção: Fernando Bagnola <3 (eu me amo também!) … e vou até sugerir uma música de fundo que combina com essa conversa porque gosto de amar o meu bolso também … né?!! 😉 https://www.youtube.com/watch?v=03eF7RQJn2M

—————————————————————————————————————

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                                                workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com

FOTOGRAFIA DE MODA: ILUMINAÇÃO COMBINADA DE LUZ NATURAL + FLASH PORTÁTIL + CTO 1/2

FOTOGRAFIA DE MODA: “ILUMINAÇÃO COMBINADA DE LUZ NATURAL + FLASH PORTÁTIL + CTO 1/2 / FILL LIGHT NATURAL (AREIA) E O SISTEMA DE ZONAS APLICADO À FOTOGRAFIA DIGITAL” (EM MOVIMENTO)

Olá Amigos da EFO!!!

IMG_7414IMG_7173 2aIMG_7168 2IMG_7108Aqui está um exemplo de construção (X, X/2, X/4) clássica da iluminação para Fotografia de Moda onde o sol deixa de ser a luz principal e passa a fazer a função de luz de recorte ao redor de todo o corpo criando toda a volumetria destacando do segundo plano que deve estar numa zona mais baixa do sistema (todos os meus alunos sabem exatamente do que se trata).

É uma forma de conseguir de forma muito mais simplificada os resultados que alguns só conseguem usando 3 flashes sincronizados com triggers de radio frequencia já que se for por infravermelhos nem sempre funcionam bem em ambientes exteriores (ou seja, é muito mais barato e o resultado é mais natural já que as temperaturas de cor são todas muito parecidas.

O uso do photogel, cto 1/2 neste caso, insere informações de cor nos tons de pele que podem ser controladas com precisão no sistema hsl aproximando o resultado da linguagem analógica onde as escalas são completas de 0 a 10, diferentemente do digital que tem uma gama dinâmica mais limitada nas zonas polarizadas (0 e 10), além de “roubar” (=controlar) uma parte da potência do flash protegendo os tons do primeiro plano (altas luzes na areia).

Busco sempre enquadrar de forma que as cores do fundo e do primeiro plano sejam complementares, tons azulados e amarelados respectivamente, para obter algo que considero muito importante que é o equilíbrio cromático de forma natural e sem necessidade de filtros ou edição.

Um detalhe importante, neste caso, é usar os cabelos para criar sombra no rosto e desta maneira a luz do flash encaixa como Luz Feminina sem interferência de altas luzes como seria numa Luz Masculina.

Para quem quiser entender melhor é só visitar este artigo que eu escrevi sobre este assunto:
http://www.escoladefotografiaonline.com/fotografia-de-moda-e-a-luz-feminina/

Aqui toda a escala do Sistema de Zonas está representada mesmo tendo sido feita com uma camera EOS 20D que, supostamente, seria impossível trabalhar e foi esta a razão da minha escolha (para quem quiser se aprofundar mais coloquei o texto completo na descrição desta pasta).

Um flash na camera em modo manual … Uma camera “velha” com 8,2 mpx … Medição ponderada de todas as áreas (feitas com fotómetro/flashmeter) … e consegui exatamente o que eu pretendia.

Experimentem e esqueçam essa conversa de que é só a camera que manda na qualidade das suas fotos!!

Abreijos … É NÓIS!!!! Tamujunto!!! (Y)

Modelo/MUA/Style: Mariana Alessandra​ <3
Assistente/Making of: Pedro Alexandre
Fotografia/Direção: Fernando Bagnola​ | Fernando Bagnola Fotografia |
EFO – Escola de Fotografia Online Fernando Bagnola​

Se você gostou deste tutorial, subscreva a nossa newsletter e ajude a EFO com o seu valioso icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                                                workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com

FOTOGRAFIA DE MODA | ILUMINAÇÃO FEMININA PARA BOOKS, MODA, BEAUTY E RETRATOS

“ILUMINAÇÃO FEMININA PARA BOOKS, MODA, BEAUTY & RETRATOS”

CATARINA

Olá, Amigos da EFO!!!

Se não tiverem esse equipamento do esquema, substituam por flashes portáteis e vai funcionar muito bem!!!

Aqui há 4 fontes de luz sendo:

339252_10150652094946352_777484738_o
2 laterais com 1/2 potência (luzes de recorte)
1 frontal com 1/2 potência (luz principal)
1 atrás da modelo com 1/2 potência para apagar as sombras da iluminação frontal mudando o fundo para uma zona mais alta da escala no Sistema de Zonas conforme explico no meu livro “O Sistema de Zonas sem Mitos para Moda, Beauty & Retratos.

(Info em: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151308119816352&set=a.10150652094791352.447992.595591351&type=3&theater)

Quando vc usa dois flashes laterais em potência reduzida consegue igualar os EVs e incluir aquelas luzes que contornam o rosto, cabelos e o pescoço dando mais volume e aumentando a sensação de profundidade sem criar highlights de recorte.

Se não houvesse iluminação lateral, correria o risco de ter uma imagem “flat” (chapada) pela maior predominância da luz frontal.

Ter todos os flashes na mesma potência significa uma distribuição totalmente equilibrada em termos de EVs ao redor da área iluminada para que, por exemplo, o rosto não ficasse mais claro que o corpo tendo em conta que o fotômetro ajuda muito na afinação das cabeças de flash.

A escolha de ter todas as fontes de luz difusas aconteceu pq só assim me livrei dos brilhos especulares (pontuais) no make up que foi feito com pó de ouro altamente refletor.

DICAS:

1) Lembrando que o flashmeter aqui é indispensável, principalmente se os flashes portáteis não tiverem o mesmo numero-guia, ok??!

2) Os flashes portáteis em iluminação combinada devem estar com níveis de carga próximos entre eles pois isso afeta o padrão de reciclagem do flash.

3) É um setup que também funciona muito bem para planos americanos (meio corpo).

Experimentem!!! Obrigado e até a próxima!!! É NÓIS!!! :)

MUA/HAIR: Marta Roque
MODEL: Catarina Gonçalves Pinto

Se você gostou deste tutorial, subscreva a nossa newsletter e ajude a EFO com o seu valioso icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                         workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com

APS-C X FULL FRAME | “O QUE TEM DE SER FULL FRAME É O CÉREBRO E NÃO A CAMERA!”

Bom dia, Amigos da EFO!!!

Hoje o estilo de”avião” vai ser outro porque Vocês estão acostumados a me ver fotografar outras “máquinas” de pele macia!  Porém, neste caso, ambas me (nos) levam à nuvens!!! 😉

… imagina o seguinte … em 2004 eu comprei uma 20D que era “a camera dos PRO” e fiz campanhas grandes com muita responsabilidade tipo Natura, Tissot e outras … hoje eu vejo gente que sofre com a falta de técnica e coloca a culpa na camera que tem ISO “só” 3.200 quando no tempo do analógico o máximo disponível era ISO 400 e a gente fazia tudo sem problema nenhum.

Eu escrevi este artigo porque tem muita gente que não precisa gastar nada tendo uma camera que tenha mais do que os 8,2 mpx disponíveis na 20D.

IMG_0671-copy2B

EXIF: ISO 100 | FStop: 8.0 | Shutter: 1/8s | Exposure comp: -0,7

Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(76)

EXIF: ISO 100 | FStop: 8.0 | Shutter: 1/8s | Exposure comp: -0,7

Aqui há uma história interessante a ser contada:

Logo que cheguei a Portugal, isso há 8 anos atrás, trouxe comigo a minha Camera 20D com uma lente 100-300mm | 4.5-5.6 | USM que usei em trabalhos grandes no Brasil onde o controle da divisão dos planos era a parte mais importante no briefing do Cliente.

Exemplos:

Natura https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151342794166352&set=a.10151342793816352.527326.595591351&type=3&theater
Natura https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151342794131352&set=a.10151342793816352.527326.595591351&type=3&theater

Eu sempre digo, e vou continuar a dizer, que isso acontece por saber usar a “faixa ótima” das minhas lentes e extrair delas todo o potencial ao invés de acreditar que devo gastar muito mais do que é preciso para obter os mesmos resultados das mais caras porque, afinal, eu vivo da Fotografia e conheço o meu equipamento!!!!

No caso desta foto de hoje, eu fui contratado para fazer parte do time oficial dos Fotógrafos Oficiais credenciados e tinha que aproveitar a oportunidade para criar portfolio na Europa em novas áreas de negócio. A minha credencial era “PRESS” (Free Pass) e no dia lá fui eu para o VIP SPACE onde estavam os colegas mais “feras” com suas lentes gigantes apoiadas em monopés enquanto eu vinha com a minha 20D e uma lentezinha no meio deles … alguns olhavam para mim com um ar de “WTF??!”.

1286_can100-300_3

Muitos já tinham bebido vários Red Bull com Whisky (do bom!!!), um sol de rachar na cabeça … começa a corrida de aviões e logo ali reparei que aquilo era uma “fábrica de salsichas fotográficas” porque estavam todos sentadinhos ao lado do outro e quando o avião passava todas as lentes faziam um ballet coordenado e todas as fotos sairiam praticamente iguais, com o mesmo fundo, etc … e para piorar, a manobra de entrada do piloto na frente do pit dos fotógrafos era com o dorso do avião e isso não era bom para divulgação do evento (BINGO!!!).

Foi ai que lembrei da estória de David e Golias e da filosofia do “No Education” do Pink Floyd (vale a pena ver esse video clip que é um show de direção de fotografia: https://www.youtube.com/watch?v=kAGkuPaatdc) e resolver sair de lá para encontrar o meu enquadramento e a minha forma de expressão.

Lembrei que do outro lado do rio Douro eu tinha um Cliente novo (Simbiose) na área de fotos de gastronomia e que lá havia um sotão onde eu poderia fazer um trabalho diametralmente oposto com as enormes vantagens de ter o cockpit na foto com a área VIP do Red Bull Air Race ao fundo!!! (e ainda estar com o meu Cliente tomando um vinho português maravilhoso!!).

Nesse tipo de fotografia, o primeiro raciocínio é “É tudo muito rápido, então vou colocar a velocidade de obturação lááááááá nas nuvens e assim consigo resolver o problema de arrastamento do avião!!! E o pior é que a grande maioria dos “professores” ensinam assim … mas o movimento de rotação da hélice é muiiiiiiiiiiiito importante para que o realismo, a ação e o movimento estejam presentes na mensagem, caso contrário, não tem valor nenhum e eu não conseguiria estar no site oficial da Red Bull e no ano seguinte perderia o crachá de PRESS (Free Pass). Muita gente nem faz idéia da importância em conseguir criar tecnicamente a combinação ideal de velocidade x abertura (no ponto ótimo sempre) x panning horizontal sem movimento redundante (= variação vertical durante o panning horizontal) … isso tudo sem errar a pontaria e ainda tendo que fazer uma composição minimamente encaixada na lei dos terços e os seus pontos fortes.

Reparem que o White Balance aqui tem duas situações principais:

1) Daylight na área VIP onde estão todas aquelas pessoas.
2) Shadow na parte inferior onde estáo paredão (que tem valores Kelvin mais altos (entre 6.500 a 7.000K) puxando os tons neutros do concreto para “azulados”.

Optei por Daylight e assim usava essa distorção das sombras como fundo para os vermelhos e na minha opinião isso aumentou o contraste geral das cores.

No dia seguinte, recebi um email da Central de Imprensa com um aviso de que a minha foto estava entre as escolhidas e depois vim a saber que alguns pilotos elogiaram a nitidez em contraponto com a velocidade e que no evento seguinte estaria entre os que teriam livre acesso novamente.

Vou colocar aqui algumas das outras fotos que foram aprovadas pela RED BULL feitas com a lente 18-55mm do kit (e ainda nem tinha estabilizador):

Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(68) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(69) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(70) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(71) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(72) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(73) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(74) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(75)

Ninguém me perguntou que camera eu tinha usado!!!
Ou seja, “O que importa é ter o cérebro full frame e não a camera!”

Se você gostou deste tutorial, subscreva a nossa newsletter e ajude a EFO com o seu valioso icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).
Obrigado e até a próxima!!! É NÓIS!!! 🙂

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                         workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com

“O BOOK DE MODELO, A SUA PORTA DE ENTRADA PARA A FOTOGRAFIA DE MODA”

Olá, Amigos da EFO!

Hoje é um daqueles dias especiais!!! 🙂

É com muita satisfação que anuncio o lançamento oficial do meu novo livro em formato digital “O BOOK DE MODELO, a sua porta de entrada para a Fotografia de Moda” que é um livro-guia para Fotógrafos e Modelos poderem aprender passo-a-passo com funciona o Marketing, a Estratégia Comercial e o que deve ser feito para realizar o sonho de se tornar um bom profissional dentro desse mercado tão aliciante e rentável.

CAPA 3DFINAL email

Resolvi escrever este livro porque vejo que são poucos os Fotógrafos da Nova Geração que sabem da importância que o BOOK DE MODELO tem na história atual dos grandes nomes da Fotografia Editorial e Publicidade por ser, literalmente, uma porta de entrada desde que o fotógrafo saiba como pensar e agir no momento em que faz uma sessão para um(a) modelo “new face”.

Partilho com Vocês todo o processo estratégico (passo a passo) para poder colocar os dois pés no mercado da Fotografia de Moda e como conquistar grandes Clientes de publicidade, editoriais, catálogos, look books, etc.

O livro em formato digital contém 152 páginas para poder estar sempre acessível em qualquer dispositivo com tudo o que Você vai precisar para chegar até onde o sonho alcança!

… e mais … com muitos esquemas-base de iluminação testados, aplicados e aprovados por mim para facilitar a sua vida!! 😉

Untitled-1

Gostaram desta foto feita em fotografia analógica??

Um grande abraço neste grande dia!!!

“O BOOK DE MODELO, a sua porta de entrada para a Fotografia de Moda”.

Aproveite o Preço Promocional de Lançamento!!!
Informações e Vendas somente através de email para:

Natalina Campos
natalinagcampos@gmail.com
com cópia de segurança para:
fernandobagnola@gmail.com

Fernando Bagnola (by Max Moor)

Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                         workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com