VIDEO-AULA | FASHION STROBIST | SPEEDLITES CACTUS RF60 + V6 EM ESTÚDIO

Olá, Amigos da EFO!!!

Nesta video-aula eu partilho com Vocês um tipo de iluminação clássica para Moda, Beleza, Books, Composites de modelos e Retratos usando somente flashes portáteis com resultados idênticos aos equipamentos mais caros.

Trata-se de um sistema quadrangular de distribuição dos flashes portáteis com esquemas e explicação detalhada.

WINNETOO-(97) EFO LOWPara facilitar a vida de Vocês, preparei esta video-aula ao alcance de um clic!
Vamos deixar de conversa e bora lá então!!!

Grande abraço!!! É NÓIS!!! 🙂

Se você gostou destas dicas, subscreva a nossa newsletter e apoie a EFO com o seu icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).

Obrigado!

Fernando BagnolaFernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de Moda e Publicidade, vive em Portugal há 9 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.
Portfolio: www.fernandobagnola.com               Workshops: http://workshop.fernandobagnola.com 

APRENDA A USAR O FLASH PORTÁTIL EM ESTUDIO | ILUMINAÇÃO COMBINADA: FLASH PORTÁTIL + CTO 1/4 + LUZ NATURAL

 

Olá, Amigos da EFO!!

Dando seguimento aos posts com as minhas dicas de técnica de iluminação com flash portátil em estúdio, aqui vai uma outra foto para os que acompanham a série beauty-fashion “Os Olhares de Catarina”.

EFO OLHARES CATARINA 1(modelo: Catarina Pinto | MUA/Hair: Cláudia Duque | Foto: Fernando Bagnola)

Nesta primeira foto, mostro a importância que dou nos reflexos dos olhos criando pontos de atração por brilho no contexto geral da composição completamente encaixada nas linhas fortes da lei dos terços (inclusive a boca).

Na parte inferior dos olhos está um reflexo da janela que há no teto do meu estúdio e na parte superior há dois pontos de luz que vem de dois flashes portáteis com soft difusers na mesma potência com fotometria correspondente à 1/4 da medição da luz natural, conforme explicação que se segue:

  1. A luz natural foi medida com o fotômetro em modo “ambient” e deu fstop 8.0 e, portanto, os flashes foram regulados para que a medição ficasse em 4.0 (-2ev) com o white balance em “daylight” para que pudesse corrigir os flashes com photogel CTO 1/4 (Color Temperature Orange) que decorre do tom cyan que acontece em ambientes de sombra (dentro do estúdio há uma subida nos valores Kelvin entre 6.000 a 6.200 K que o CTO 1/4 neutraliza).
  2. Usei a distância focal 200 mm numa objetiva 100-300 mm macro que permite que eu faça enquadramentos mais próximos sem que se corra o risco de distorcer as linhas do rosto como aconteceria se a distância focal ficasse abaixo dos 50 mm.

E ao final da sessão, aproveitando a formação de teatro da nossa modelo Catarina Pinto, resolvi criar um momento de desconstrução do make up/hair criando um conceito interpretativo “final de noite” que se usou muito (e ainda se usa) que remete à linguagem (ou identidade) da Top Model Kate Moss.

EFO OLHARES CATARINA 2

(modelo: Catarina Pinto | MUA/Hair: Cláudia Duque | Foto: Fernando Bagnola)

Hoje em dia, quem tiver um conjunto de flashes portáteis que possam ser sincronizados por triggering (strobist), consegue resultados tão bons quanto o que se consegue com os caríssimos strobes (cabeças) de estúdio e para isso é preciso dominar técnicas-base como Lei do Inverso do Quadrado da Distância, Numero Guia Efetivo x Modifiers e, principalmente, Fotometria Manual (Cerebral) e garanto que vai acertar na primeira ganhando com isso muita credibilidade ao invés de ser um daqueles que são “olhógrafos” e engessam o ritmo do trabalho.

Abreijos, … É NÓIS!!! 🙂

Se você gostou destas dicas, subscreva a nossa newsletter e apoie a EFO com o seu icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).

Obrigado e um grande abraço!

Fernando BagnolaFernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de Moda e Publicidade, vive em Portugal há 9 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.
Portfolio: www.fernandobagnola.com               Workshops: http://workshop.fernandobagnola.com 

EFO TV | FOTOGRAFIA DE MODA | FLASH PORTÁTIL + PHOTOGEL CTO1/2 COM ILUMINAÇÃO MISTA NA MODELO (SOMBRA E SOL)

Olá, Amigos da EFO!!!

Este video foi de uma sessão inesquecível “Natural Fashion” com a minha modelo preferida Mariana Alessandra (Elite Models Lisbon) onde quis mostrar que quanto mais simples for a iluminação melhor será o resultado em termos de variação das poses e do movimento, requisitos fundamentais na Fotografia de Moda.

Eu quis também mostrar que consegue-se fazer um bom trabalho sem precisar de assistente com um simples flash portátil na camera bastando para isso saber usar algumas leis importantes como Lei do Inverso do Quadrado da Distância e o Sistema de Zonas aplicado à Fotometria Manual.

Fiz a correção do White Balance (misto) através de Photogel CTO 1/2 equilibrando os tons de pele da parte frontal da modelo para Daylight (5.200K) por adição complementar retirando a dominante cyan que é normal em situação de sombra (6.500 K) combinada com a fotometria matricial do fundo fazendo o recorte do corpo na composição dos planos.

Optei por usar uma lente 50mm/2.5/compact macro com focagem manual (old school do tempo em que usei a Fotografia Analógica) para poder escolher com rapidez o ponto exato de destaque aproveitando uma das melhores capacidades desta modelo que é o movimento constante durante a sessão o que faz toda diferença na linguagem e conceito da Fotografia de Moda Editorial.

É muito importante dominar esta técnica de focagem e consistência fotométria porque é o que as boas agências de modelo gostam para poderem vender melhor as suas modelos) como eu explico no meu livro “O BOOK DE MODELO, a sua porta de entrada para a Fotografia de Moda disponível no link que segue:
http://www.escoladefotografiaonline.com/category/e-books/o-book-de-modelo/

No final do video há um slideshow com todas as fotos escolhidas.

Mais detalhes técnicos sobre esta sessão em:
http://www.escoladefotografiaonline.com/moda-iluminacao-combinada-de-luz-natural-flash-portatil-cto-12/

Modelo: Mariana Alessandra
MUA/Hair/Styling: Mariana Alessandra
Fotografia/Direção: Fernando Bagnola

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 9 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

 portfolio: www.fernandobagnola.com                                                                            workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com

FOTOGRAFIA DE MODA | ILUMINAÇÃO FEMININA PARA BOOKS, MODA, BEAUTY E RETRATOS

“ILUMINAÇÃO FEMININA PARA BOOKS, MODA, BEAUTY & RETRATOS”

CATARINA

Olá, Amigos da EFO!!!

Se não tiverem esse equipamento do esquema, substituam por flashes portáteis e vai funcionar muito bem!!!

Aqui há 4 fontes de luz sendo:

339252_10150652094946352_777484738_o
2 laterais com 1/2 potência (luzes de recorte)
1 frontal com 1/2 potência (luz principal)
1 atrás da modelo com 1/2 potência para apagar as sombras da iluminação frontal mudando o fundo para uma zona mais alta da escala no Sistema de Zonas conforme explico no meu livro “O Sistema de Zonas sem Mitos para Moda, Beauty & Retratos.

(Info em: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151308119816352&set=a.10150652094791352.447992.595591351&type=3&theater)

Quando vc usa dois flashes laterais em potência reduzida consegue igualar os EVs e incluir aquelas luzes que contornam o rosto, cabelos e o pescoço dando mais volume e aumentando a sensação de profundidade sem criar highlights de recorte.

Se não houvesse iluminação lateral, correria o risco de ter uma imagem “flat” (chapada) pela maior predominância da luz frontal.

Ter todos os flashes na mesma potência significa uma distribuição totalmente equilibrada em termos de EVs ao redor da área iluminada para que, por exemplo, o rosto não ficasse mais claro que o corpo tendo em conta que o fotômetro ajuda muito na afinação das cabeças de flash.

A escolha de ter todas as fontes de luz difusas aconteceu pq só assim me livrei dos brilhos especulares (pontuais) no make up que foi feito com pó de ouro altamente refletor.

DICAS:

1) Lembrando que o flashmeter aqui é indispensável, principalmente se os flashes portáteis não tiverem o mesmo numero-guia, ok??!

2) Os flashes portáteis em iluminação combinada devem estar com níveis de carga próximos entre eles pois isso afeta o padrão de reciclagem do flash.

3) É um setup que também funciona muito bem para planos americanos (meio corpo).

Experimentem!!! Obrigado e até a próxima!!! É NÓIS!!! :)

MUA/HAIR: Marta Roque
MODEL: Catarina Gonçalves Pinto

Se você gostou deste tutorial, subscreva a nossa newsletter e ajude a EFO com o seu valioso icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                         workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com

APS-C X FULL FRAME | “O QUE TEM DE SER FULL FRAME É O CÉREBRO E NÃO A CAMERA!”

Bom dia, Amigos da EFO!!!

Hoje o estilo de”avião” vai ser outro porque Vocês estão acostumados a me ver fotografar outras “máquinas” de pele macia!  Porém, neste caso, ambas me (nos) levam à nuvens!!! 😉

… imagina o seguinte … em 2004 eu comprei uma 20D que era “a camera dos PRO” e fiz campanhas grandes com muita responsabilidade tipo Natura, Tissot e outras … hoje eu vejo gente que sofre com a falta de técnica e coloca a culpa na camera que tem ISO “só” 3.200 quando no tempo do analógico o máximo disponível era ISO 400 e a gente fazia tudo sem problema nenhum.

Eu escrevi este artigo porque tem muita gente que não precisa gastar nada tendo uma camera que tenha mais do que os 8,2 mpx disponíveis na 20D.

IMG_0671-copy2B

EXIF: ISO 100 | FStop: 8.0 | Shutter: 1/8s | Exposure comp: -0,7

Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(76)

EXIF: ISO 100 | FStop: 8.0 | Shutter: 1/8s | Exposure comp: -0,7

Aqui há uma história interessante a ser contada:

Logo que cheguei a Portugal, isso há 8 anos atrás, trouxe comigo a minha Camera 20D com uma lente 100-300mm | 4.5-5.6 | USM que usei em trabalhos grandes no Brasil onde o controle da divisão dos planos era a parte mais importante no briefing do Cliente.

Exemplos:

Natura https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151342794166352&set=a.10151342793816352.527326.595591351&type=3&theater
Natura https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151342794131352&set=a.10151342793816352.527326.595591351&type=3&theater

Eu sempre digo, e vou continuar a dizer, que isso acontece por saber usar a “faixa ótima” das minhas lentes e extrair delas todo o potencial ao invés de acreditar que devo gastar muito mais do que é preciso para obter os mesmos resultados das mais caras porque, afinal, eu vivo da Fotografia e conheço o meu equipamento!!!!

No caso desta foto de hoje, eu fui contratado para fazer parte do time oficial dos Fotógrafos Oficiais credenciados e tinha que aproveitar a oportunidade para criar portfolio na Europa em novas áreas de negócio. A minha credencial era “PRESS” (Free Pass) e no dia lá fui eu para o VIP SPACE onde estavam os colegas mais “feras” com suas lentes gigantes apoiadas em monopés enquanto eu vinha com a minha 20D e uma lentezinha no meio deles … alguns olhavam para mim com um ar de “WTF??!”.

1286_can100-300_3

Muitos já tinham bebido vários Red Bull com Whisky (do bom!!!), um sol de rachar na cabeça … começa a corrida de aviões e logo ali reparei que aquilo era uma “fábrica de salsichas fotográficas” porque estavam todos sentadinhos ao lado do outro e quando o avião passava todas as lentes faziam um ballet coordenado e todas as fotos sairiam praticamente iguais, com o mesmo fundo, etc … e para piorar, a manobra de entrada do piloto na frente do pit dos fotógrafos era com o dorso do avião e isso não era bom para divulgação do evento (BINGO!!!).

Foi ai que lembrei da estória de David e Golias e da filosofia do “No Education” do Pink Floyd (vale a pena ver esse video clip que é um show de direção de fotografia: https://www.youtube.com/watch?v=kAGkuPaatdc) e resolver sair de lá para encontrar o meu enquadramento e a minha forma de expressão.

Lembrei que do outro lado do rio Douro eu tinha um Cliente novo (Simbiose) na área de fotos de gastronomia e que lá havia um sotão onde eu poderia fazer um trabalho diametralmente oposto com as enormes vantagens de ter o cockpit na foto com a área VIP do Red Bull Air Race ao fundo!!! (e ainda estar com o meu Cliente tomando um vinho português maravilhoso!!).

Nesse tipo de fotografia, o primeiro raciocínio é “É tudo muito rápido, então vou colocar a velocidade de obturação lááááááá nas nuvens e assim consigo resolver o problema de arrastamento do avião!!! E o pior é que a grande maioria dos “professores” ensinam assim … mas o movimento de rotação da hélice é muiiiiiiiiiiiito importante para que o realismo, a ação e o movimento estejam presentes na mensagem, caso contrário, não tem valor nenhum e eu não conseguiria estar no site oficial da Red Bull e no ano seguinte perderia o crachá de PRESS (Free Pass). Muita gente nem faz idéia da importância em conseguir criar tecnicamente a combinação ideal de velocidade x abertura (no ponto ótimo sempre) x panning horizontal sem movimento redundante (= variação vertical durante o panning horizontal) … isso tudo sem errar a pontaria e ainda tendo que fazer uma composição minimamente encaixada na lei dos terços e os seus pontos fortes.

Reparem que o White Balance aqui tem duas situações principais:

1) Daylight na área VIP onde estão todas aquelas pessoas.
2) Shadow na parte inferior onde estáo paredão (que tem valores Kelvin mais altos (entre 6.500 a 7.000K) puxando os tons neutros do concreto para “azulados”.

Optei por Daylight e assim usava essa distorção das sombras como fundo para os vermelhos e na minha opinião isso aumentou o contraste geral das cores.

No dia seguinte, recebi um email da Central de Imprensa com um aviso de que a minha foto estava entre as escolhidas e depois vim a saber que alguns pilotos elogiaram a nitidez em contraponto com a velocidade e que no evento seguinte estaria entre os que teriam livre acesso novamente.

Vou colocar aqui algumas das outras fotos que foram aprovadas pela RED BULL feitas com a lente 18-55mm do kit (e ainda nem tinha estabilizador):

Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(68) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(69) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(70) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(71) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(72) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(73) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(74) Portfolio-2009-Fernando-Bagnola-Photographer-(75)

Ninguém me perguntou que camera eu tinha usado!!!
Ou seja, “O que importa é ter o cérebro full frame e não a camera!”

Se você gostou deste tutorial, subscreva a nossa newsletter e ajude a EFO com o seu valioso icone-curtir-facebook-contato (no final deste artigo).
Obrigado e até a próxima!!! É NÓIS!!! 🙂

Fernando Bagnola (by Max Moor)Fernando Bagnola, nascido em São Paulo, fotógrafo profissional desde 1984 atua nas áreas de moda e publicidade, vive em Portugal há 7 anos e desenvolve formações de Técnica Fotográfica e Edição no Photoshop através de workshops e cursos ao vivo por vídeo-conferência tendo alunos formados no Japão, Inglaterra, Brasil e Portugal.

  portfolio: www.fernandobagnola.com                                                         workshops:  http://workshop.fernandobagnola.com